quarta-feira, 24 de agosto de 2016

A EPIFANIA DE ROBERT MURRAY M'CHEYNE

Foto colhida em perfil público de Jônatas Leite retratando o Complexo do Alemão - Rio.
 

Chalmers [mentor de M'Cheyne] ficou profundamente angustiado com a pobreza nas favelas de Edimburgo [Escócia] e por lá haverem tão poucas testemunhas do Evangelho. Ele estabeleceu a 'Visiting Society' e recrutou M'Cheyne e seus amigos para participarem. Isto colocou M'Cheyne em um mundo que ele nunca tinha visto, sendo ele um estudante universitário de classe média alta.

Isto despertou nele um senso de urgência para aqueles que eram carentes do Evangelho. Em 3 de março de 1834, dois anos e meio em seus estudos de Teologia, ele escreveu:

"Com tais cenas eu nunca havia sonhado antes. Por que eu sou como um estranho para os pobres da minha cidade natal? Eu passei pelas suas portas milhares de vezes. Eu admirava as enormes pilhas pretas de edifícios, com suas chaminés altas que quebram os raios do sol. Por que eu nunca me aventurei a adentrar? Como pode habitar o amor de Deus em mim?

Como é cordial a aceitação até mesmo dos mais pobres e mais repugnantes, à voz simpática do Cristianismo! Que solitária massa de seres humanos amontoados, não visitados por um amigo ou um ministro! “Nenhum homem se preocupa com nossas almas” está escrito em cada testa. Desperte minha alma! Por que eu deveria dar horas e dias a mais para este mundo vão, quando há um mundo de miséria às portas? Senhor, coloca Tua força em mim! Confirme toda boa vontade! Perdoe-me por minha longa vida de inutilidade e loucura."


Fonte: O Estandarte de Cristo

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Reservo-me o direito de não publicar críticas negativas de "anônimos" (Este espaço visa à edificação e, em muitos casos, à instrução. Somente publicarei os comentários que atendam tais propósitos); Discordar não é problema, contudo, faça-o com educação (Não tolerarei palavreado torpe, ofensivo e inconveniente); Atenha-se ao conteúdo do texto (aqui não há espaço para personalismos ou críticas ad hominem)